21 de ago de 2008

Mulheres eternas


Louise May Alcoltt, foi a responsável por eu ainda hoje não recear livros "gordos", foi o meu 1º, bem cedo fiquei rendida ao mundo privado para onde uma história bem escrita nos transporta. O efeito é hipnótico, somos conduzidos pela narrativa mas acrescentamos cor, cheiro e sabor. Como acontece com os amores, nunca mais esqueci o primeiro e recordo com carinho, falo do livro As Mulherzinhas. Mais tarde li algures que teria sido baseado na sua vida e na das suas irmãs. Fui olhar a sua carta astrológica, os dados são por minha conta e risco, não há fonte certificada da hora (29 Nov. 1832 @12;30 AM Germanttown PA) Um carácter independente com tomada de posições e partido em defesa e em prol do que é correcto (Sol Sagitário e Lua Aquário). O regente do Ascendente está envolvido num numa formação (GT), que lhe acentua a independência, no elemento Terra, indicador de uma tendência para fazer as coisas sem ajuda de ninguém. Jupiter rege o MC e está peregrino em Peixes, confere com o que se sabe do pai, conhecido Transcendentalista (estado espírito alcançado através da intuição). Seguindo a rota vocacional; vamos para Neptuno, segue-se Saturno e Mercúrio que está na casa 10 em Sagitário, que faz eco do já verificado um mulher de horizontes alargados, progressista e que dificilmente será calada. A Lua na 12 sugere a necessidade de ser respeitada pela sua independência e necessidade de ser uma "ajuda" para a humanidade, preferindo actuar nos bastidores cuidando e ajudando. Úrano também está peregrino e estando no próprio signo poderá tomar conta do horóscopo, que em conjunto com a situação de Neptuno, contêm um considerável potencial de expressão criativa e ideias humanitários.
Começou escrever cedo e a trabalhar como professora e ajudante doméstica para fazer face ás despesas, foi enfermeira, o seu grande êxito dá-se em 1868 com As Mulherzinhas, devidamente assinalado no seu horóscopo por arcos solares de Jupiter a Neptuno regente do ID, neste caso o reconhecimento público da mulher. Notando o aspecto de Plutão a Úrano além da notoriedade, o potenciar de causas humanitárias, sabendo que Louise vem a ser advogada da causa sufragista, poderá também coincidir com esta época da vida dela.

Far away there in the sunshine are my highest aspirations. I may not reach them, but I can look up and see their beauty, believe in them, and try to follow where they lead.
Louise May Alcott

6 comentários:

cova-do-urso disse...

Ana Cristina,

Belo artigo com uma ilustração muito especial.

É saboroso não recear livros "gordos". :)

Foi um êxito a ida a Pampilhosa.

Abraço

António

Ana Cristina Corrêa Mendes disse...

:-) Folgo em saber e nada espantada.
Abraços

Astrid Annabelle disse...

Ana Cristina,
é um prazer passear por entre suas palavras.
Vim retribuir sua amável visita e aproveitei para ler alguns (os últimos) posts.
Parabéns. É uma leitura muito agradável.
Também não me importo com o tamanho do livro e até acho engraçado quem repara nisso.
Em se tratando do tema "Mulheres", já leu "Mulheres que correm com os lobos"? De Clarissa Pinkola Estés.
Maravilhoso e grande. Estou lendo pela terceira vez!!!
Bem, parabéns por todo o seu trabalho e por sua gentileza em me visitar.
Um beijo.
Ma Jivan Prabhuta

Ana Cristina Corrêa Mendes disse...

Astrid, deu-me muito prazer a visita ao seu "cantinho encantado" e também eu lhe sou grata pela sua visita.
Já estou a tomar nota, não conheço o livro nem a autora. :-)

Beijo

António Rosa disse...

Ana Cristina,

Acabei de publicar no site da Escola este seu artigo. Muito obrigado.

Beijo.

Ana Cristina disse...

grata sou António, Abraço.