15 de dez de 2008

o nosso planeta


Nestes tempos de crise, em que todos dias há mais uma bombástica nova, aproveitada e esticada pelos jornais, assiste-se a uma certa histeria e desresponsabilização social. Gostaria de chamar a atenção para que se olhe criticamente para onde se têm verificado as rupturas, o que tem ido ao "ar" têm sido as organizações que estavam podres ou cuja a vida se posicionava acima dos reais recursos, bem como as situações onde tem havido uso de poder. Claro que neste clarear de águas, poderá parecer que sofre o justo pelo pecador, sinceramente acredito que quase todos, de alguma forma temos compactuado com a energia que envolve o nosso mundo. Existem várias formas de compactuar como as de não denunciar ou ignorar, o que não nos deixa ficar isentos. Os que hoje clamam justiça e até dizem que não têm que pagar uma crise para a qual não contribuíram, terão que rever esta posição. Se agora que chega o natal, de repente todos falam de solidariedade e que é dever de todo o ser humano ajudar o outro, isto depois do comportamento autista durante o ano inteiro, afinal é porque se assume uma certa responsabilidade civil. Por isso este ano atendendo à crise talvez esta reflexão natalícia perdure e entre pelo ano que vem. Passando assim todos a dar-mos o que nos for possível e a contribuir para que o nível de energia do nosso planeta suba. A entrada de Plutão em Capricórnio, representada simbolicamente pelas vários eventos que já foram escritos, o despojar do supérfluo e do que não estava saudável ou não servia mais.

5 comentários:

António Rosa disse...

Ana Cristina,

Exemplar, mais ainda nos momentos que vivemos.

Continuando sem email - ;(

Ana Cristina disse...

:-) efeitos do Mercúrio na minha casa I. António isso do email é uma grande chatice, se logo der para si falamos um pouquinho :-)

Maria Paula Ribeiro disse...

Olá Ana,

Assumir o nosso erro, para melhorar.
Prosseguimos, sempre em frente. :=)
Bj

HighLander77 disse...

Bom dia Ana,
Na minha optica, a crise faz parte do processo de renovacao. Ha que doer antes de comecar a ser purificado. E claro que muitos podemos sentir-nos prejudicados, mas faz parte do processo.
O que varia e a forma como aceitamos.

Abraco,

Paulo

Ana Cristina disse...

Oi Paulo, não lhe retirando nada ao que disse, concordo com tudo, era bom que aprendêssemos todos durante todo o ano e vida a alterar comportamentos...já que ninguém é ou deveria pensar que é, uma ilha nesta vida.

Abraço