2 de dez de 2007

Individuação


Em Astrologia fala-se e repete-se muito a palavra individuação, a necessidade de assumirmos aquilo que somos sem máscaras, de lutar pelo que desejamos sem medo de parecemos ridículos e por aí adiante.

Abrimos qualquer livro de C. Jung e lá vem a tal palavra como meta do homem que envereda pelo o auto-conhecimento a caminho de uma plena realização pessoal.

Encontrar e assumir a nossa individuação, dá mais trabalho a uns que a outros;não quer dizer que nos isolemos bem pelo contrário.
Quanto mais protecções se tiverem construído à volta de determinada área da vida, para a suprimirmos, mais árdua será a tarefa para a assumir. Entender este mecanismo interno, encontrando a razão e a situação que o activou, conduz à libertação, logo a um acalmar de ansiedades. Daí junta-se uma pitada de determinação e marchamos ao encontro da tal individuação.

Úrano, planeta que rege a Astrologia, o rebelde e inovador; um aliado da individuação, destabiliza o conversadorismo, impele à acção.
A sua energia electrizante quase sempre surpreende, por isso há aqueles que surpreendem porque se arriscam e os outros que assistem.

Todos temos Úrano no nosso horóscopo, será que todos o usamos convenientemente? Úrano rege também o Humanitarismo; assumir que cada um tem um papel único a desempenhar mesmo que a fazer o mesmo que outros indivíduos. Se ninguém se arriscasse a fazer diferente, que tédio seria?

Em que situações na nossa vida nos sentamos e vemos a banda passar e em que situações tomamos conta do palco e damos um espectáculo?

Se calhar existem um sem número de espectáculos que gostávamos de montar, alternativos ou não, se não tentarmos nunca iremos saber se iríamos ter público ou não.



Se não aceitarmos as diferenças que sentimos no nosso interior como poderemos aceitar as diferenças que nos rodeiam?

2 comentários:

Vidraça disse...

Que belo desafio, que bela reflexão que todos deveremos fazer e colocar como grande objectivo para 2008...

Ana Cristina Corrêa Mendes disse...

e porquê adiar para o próximo ano?