26 de mar de 2008

Da boca das crianças...



"Because children have fewer meaning-based experience records, they are less likely to form false memories," says Reyna. "But the law assumes children are more susceptible to false memories than adults."


Neste artigo em que se discute a credibilidade do depoimento de crianças em tribunal, em como sendo este mais fidedigno que o dos adultos.
As crianças não têm a mesma necessidade que um adulto tem de interpretar o acontecimento, alterando para uma versão pessoal quando o relatam, distorcida e colorida pelo sentido que entretanto lhe conferiram.

Em astrologia é na casa III e no seu regente bem como as condições de Mercúrio no horóscopo que nos dão uma perspectiva do padrão de pensamento.
Quando vemos um Mercúrio fortemente ligado a Vénus ou a Neptuno ocorre-nos logo idealismo, se a ligação for com Úrano a novidade de ideias o gosto pelo avant-garde, com Marte o incessante mecanismo... etc.

A casa III dá-nos o padrão do que aprendemos e absorvemos na infância, o mesmo que dizer como se vai formando e moldando a forma de pensar e comunicar de acordo com as condições que nos rodeiam.

Independentemente da criança entender o que foi que aconteceu ela registou, o que mais tarde vai necessitar ser arrumado naquele armário imenso que regista a vivência de cada um e catalogado na enciclopédia individual dos Porquês.

Vale a pena ter isto presente como adultos preocupados em tornar este mundo um local melhor, começar por ter atenção ao que contribuímos e no que estamos a registar agora para futuro processamento.

Nenhum comentário: