26 de mai de 2008

Conflitos geracionais



Planetas como Plutão, Neptuno e Úrano, demoram muitos anos a transitar no mesmo
signo, por isso chamados de geracionais já que é uma geração inteira que nasce no mesmo transito e na mesma "onda".
A 1ª vez que ouvi falar disto, nem me lembro já quando, passei a olhar a diferença geracional com um novo olhar e a entender as conversas do tipo...No meu tempo as coisas...Ouvimos dos nossos pais e agora se calhar já as proferimos.

Úrano entrou em casa Aquário em 1996, ou seja as crianças que nasceram naquele ano
e até 2003, alguns meses, devido ao efeito retrógrado. Têm nos seus horóscopos, o planeta da individualidade com um forte assento, em casa e com toda a sua potência, não só o da individualidade também o do humanitarismo e da irreverência. Se este Úrano fizer um aspecto dinâmico a um dos planetas pessoais (Sol, Lua, Mercúrio, Vénus, Marte) podemos esperar uma intensidade e/ou excentricidade relativamente ao que o planeta representa e à casa que rege.

Esta característica firmemente marcada pode trazer algum desconforto para os progenitores e educadores uma vez que estes novos seres desestabilizam convenções.

Neptuno entrou em Aquário em 1997/98, com alguns movimentos retrógrados, entra em
velocidade cruzeiro no signo em 1999 onde está até hoje. Entre 1997 e 2003, temos uma "safra" de crianças, que sintonizam entre elas, a verificar o mapa pessoal de cada uma, poderão mesmo ser consideradas de desajustadas, dependendo do grau de diferenciação.

Se o futuro pertence às crianças porque terão que ser elas (só) a adaptarem-se ao
convencionado? O que quer dizer afinal a frase; o direito à diferença?

6 comentários:

António Rosa disse...

Eheheheh,

Às vezes digo "No meu tempo...".

Esta criançada nova que nos desarma.

Gostei muito.

Abraço

António

Ana Cristina Corrêa Mendes disse...

:-) também eu digo...mas agora policio-me :-)

abraço
Ana Cristina

Samsara disse...

Lá em casa quem manda a maior parte das vezes é a criança.
Gosto de analisar mapas de crianças, são os que mais me fascinam. Era bom que todos os pais conhecessem o mapa dos seus filhos para os entenderem melhor.
Bjs.

Ana Cristina Corrêa Mendes disse...

Tem razão, se bem que acredite que todos os pais ou na sua grande maioria, querem o melhor para os seus filhos, acabam por querer que estes sejam uma extensão dos próprios...

bjos e obrigada pela visita.
Ana Cristina

Anônimo disse...

o que eu estava procurando, obrigado

Ana Cristina disse...

Anónimo, obrigada por se manifestar e por me ler. Volte sempre que quiser.