25 de mai de 2008

Crises na infância


Mais de que uma vez, foi-me pedido por pais, que olhasse a carta natal de uma criança em determinada fase turbulenta da vida da criança, já se vê fases essas em que os pais se sentiram confundidos com o comportamento da criança e sentiram necessidade de entender a "pessoa" que era o filho deles.

Eu olho para a carta de uma criança com um cuidado extremo, como para um diamante em bruto que carece uma lapidação correcta para que as suas várias faces brilhem. Trabalho delicado que necessita do maior dos cuidados para não arruinar o valor da pedra.

Períodos de desenvolvimento fortemente marcados na infância (evidenciados por transitos e/ou progressões), na grande maioria das vezes são um fiel reflexo da dinâmica dos pais e meio-familiar e de como este está a ser absorvido pela criança. A criança está a reagir como sabe ao que absorveu, mais do entendeu sentiu, uma reacção emocional.

Se for um Saturno a passar nos ângulos ou regentes destes, indicador de restrições a criança poderá estar a desenvolver algum padrão de vergonha ou culpa, por o que quer que esteja acontecer à sua volta.

Se for Úrano, indicador de mudanças grandes, podem ser absorvidas pela criança como "liberdade de repente" ou "muito de tudo", numa altura em que a criança está a aprender os seus limites, uma súbita mudança a abanar os alicerces, que poderá reflectir algum padrão de insegurança no futuro.

Se for Neptuno, é o nevoeiro a tomar conta da situação, a confusão na cabecinha da criança, o real e a fantasia confundem-se, torna-se difícil distinguir onde acaba um e começa o outro.

Se for Plutão, o que quer que seja que provocou a alteração, podendo ser tão só uma mudança de cidade, afectou profundamente a psique da criança que poderá passar a albergar ressentimentos ou medos profundos que perduram por muitos anos.

"Quem convive muito com crianças descobre que nenhuma acção externa sobre elas permanece sem uma acção recíproca"
Johann Goethe

2 comentários:

António Rosa disse...

Como compreendo quando diz que olha para a "carta de uma criança com um cuidado extremo, como para um diamante em bruto que carece uma lapidação correcta para que as suas várias faces brilhem."

Ainda bem que há pais que começam a compreender o valor de uma análise dos mapas dos filhos.

Abraço

António

Ana Cristina Corrêa Mendes disse...

Obrigada António :-)... precisamente aqueles pais que já beneficiaram de uma orientação astrológica.

Abraço
Ana Cristina