9 de jun de 2008

Atavismo


A propósito de globalizações e acordos ortográficos, tenho ouvido de muitas "bocas", mesmo daquelas que maltratam tanto a versão original como a brasileira, o não ao acordo. Quando pergunto porquê, não sabem articular com clareza as suas razões. Além de ter vivido naquele País que amo, conheço vários estrangeiros que aprenderam e outros que se estão agora a iniciar nos meandros da nossa língua; em comum o Português é-lhes ensinado por professores brasileiros.
Muitos dos que viajam algumas vezes para o Brasil, sabem que os livros por lá custam metade do preço, sabemos que por causa das edições serem maiores. Encontrei esta reportagem na BBC News, que aborda o tema e de que gostei particularmente. O repórter chama atenção para os benefícios de se aprender a falar português e também ele aprendeu com um brasileiro. Serão eles os novos "vascos da gama" do idioma?
Quem viaja para NY de vez em quando já não fica surpreendido pelas várias vezes em que "ouve" brasileiros ou quem anda de táxi em S.Francisco.
Pergunto-me se é o mar que nos une ou se é o mar que nos afasta, ou se é outra razão atávica que nos prende. Astrologicamente, o Mercúrio da carta natal brasileira oposto ao MC-Sol da portuguesa, a tensão entre como pensam e a nosso sentimento intrínseco, em causa novas ideias e potencialidades do ego. O Marte brasileiro, a sua vontade em tensão com Jupiter de Portugal que gostaria de ser reconhecido como soberano. Os dois juntos arriscam-se a fazer as "coisas" em grande estilo e marcar a diferença.

Em véspera do 10 de Junho de 2008, podemos beber umas caipirinhas logo mais.

6 comentários:

O Profeta disse...

Esta brisa da tarde
Afaga as folhas com invisível mão
Arrasta consigo os sonhos perdidos
Soltos do encanto da real paixão


Boa semana

Doce beijo

Ana Cristina Corrêa Mendes disse...

Retribuo o beijo, bem adocicado depois de ter visitado o blogue do Profeta :-)

Abraço caloroso
Ana Cristina

António Rosa disse...

"Muitos dos que viajam algumas vezes para o Brasil, sabem que os livros por lá custam metade do preço, sabemos que por causa das edições serem maiores."

E pela mão de obra muito mais barata, apesar do panorama brasileiro já não ser o que era, igualmente devido à concentração das editoras em grandes grupos económicos.

Na Argentina, país que conheço melhor do que o Brasil essa vertente ainda é mais acentuada. Publica-se de tudo.

Não devemos recear o acordo ortográfico. Será mais difícil para certas gerações, mas os mais jovens rapidamente se sentirão identificados.

Gostei da abordagem.

Abraço

António

Ana Cristina Corrêa Mendes disse...

Obrigada António ainda mais vindo de si conhecedor do meio.

Abraço
Ana Cristina

Samsara disse...

Hoje o dia correu bem o Correio trouxe-me os livros perdidos há 3 semanas, alinho na caipirinha amiga para festejar a ocorrência e o 10 de Junho. Se não fossem tantas edições brasileiras de livros de Astrologia estava feita.
Bjs

Ana Cristina Corrêa Mendes disse...

Que bom Princesa...e vamos à caipirinha :-)

bjo