2 de dez de 2008

espelho meu


Como astróloga não me canso de repetir que a astrologia, não é uma religião pelo que não importa o credo, nem tão pouco o verbo acreditar faz sentido, a não ser que se acredite também nas horas/tempo como uma religião. Também não é uma ferramenta de julgamento pelo que palavras como, orgulho, ambição, paixão, tenacidade, teatralidade, individualidade e tantas outras, não acarretam qualquer carga ou apreciação. As pessoas trazem características e potencialidades e são estas que as irão ajudar a encontrar o seu caminho individual ou se quiserem a completar a sua missão. O bom e mau, muito ou pouco são medidas entre o individuo e o meio ambiente. O facto de usar a astrologia como forma de aconselhamento, não dá imunidade à pessoa quer como exemplo humano ou como dono da verdade; ou seja o facto de estudar e interpretar o simbolismo dos planetas não me dá a mim ou outro qualquer direito de criticar ou manipular informação. Bem pelo contrário deveria dar uma maior responsabilidade, necessidade de espalhar a harmonia e cultivar a humildade. Aquela que cresce à medida que vamos aprendendo e realizando que seriam necessárias muito mais vidas para abarcar todo o conhecimento que nos cerca. Afinal o astrólogo para ser fiel ao seu trabalho só poderá descrever o que vê reflectido, evitando qualquer tentação de dogmatismo. Creio mesmo que são alguns exemplos deste desuso, que acabam com a reputação da astrologia. Além de que como várias vezes aqui tenho repetido, não é o planeta X + Y que faz a pessoa assim ou assado, mas sim como a pessoa que usa a energia de que dispõe, alinhada com o nível evolutivo. Tecer juízo de valores acerca de mapas astrológicos de figuras públicas ou fazer daquelas profecias mais ou menos catalíticas, que não tarda estejam a ser publicadas, estamos na época delas, são dois dos exemplos que pessoalmente considero de desuso e diz muito acerca da credibilidade do autor. Se bem que durante algum tempo este possa ter os seus 15 minutos de fama, duvido que pelos motivos correctos, a médio prazo experimenta um sabor amargo, o sabor da má palavra.

8 comentários:

António Rosa disse...

Bom dia, Ana Crisitna,

...isso tudo, para além de carma acumulado, pelo desuso.

Na Ericeira, correu tudo muito bem.

Abraço.

Ana Cristina disse...

Olá António, já para nem aí vou...o dia apesar de chuvoso prometia, fico muito contente por saber. Eu tive um bom dia de consultas :-)

Até logo

Maria Paula Ribeiro disse...

Bom dia Ana!!

:=) Finalmente conheci o "Ursinho" :)
Não dá para escrever aqui descrição era preciso um dia inteiro, lol

Não foi tanto quanto o desejado pois tínhamos muito caminho a percorrer e gelo na estrada.... Pequenos inconvenientes de se viver na Serra! :)

Serás tu a próxima???? :=)

Beijinhos, mais logo volto a ler direito o teu post :=)

Ana Cristina disse...

espero que sim MP, neves à parte ás vezes o tempo nunca é o que se quer :-)
Beijo

Maria Paula Ribeiro disse...

"mas sim como a pessoa que usa a energia de que dispõe, alinhada com o nível evolutivo"

É o que sinto da Astrologia.
Descodificar os níveis energéticos, usa-los e forma que 2+2 não é igual a 4 ou -4, mas que 2+2 pode ser igual a bem mais do que 4.

Bj

Ana Cristina disse...

boa Mary Zulu, se assim não fosse, estava tudo escrito mas sabemos que o filme da nossa vida é escrito, todos os dias um bocadinho, por nós.

Beijo

António Rosa disse...

Ana Cristina

Tenho um pequeno texto para si lá na house. Também servirá à MaryPaula, mas só daqui por uns bons anitos.

Ana Cristina disse...

António, já o li, já sorri e já aqueci, beijo.