18 de fev de 2009

ideias, quereres, vontades


Nestes dias em que Marte (vontade) e Júpiter (aumentador) se cruzam, não pude deixar de pensar em desperdício, aquele que acontece quando as vontades são tão grandes que acabam por impedir a sua correcta canalização como a inundação por um caudal não direccionado, tudo o que é de mais é.... Simultaneamente ocorria-me que acontecia uma abertura para que se fizesse o que era certo, o que quer que isto fosse ou representasse para o individuo mas o que poderia querer dizer disciplinar a vontade e provocação Marciana. Duas medidas a necessitar de coerência entre si.

Usando um exemplo muito próximo, este par em transito tocava em regentes de importantes áreas de vida, o MC (manifestação pública, normalmente a carreira nos nossos dias, o palco onde afirmamos a nossa autoridade) e o FD (a nossa casa e também o reservatório do que nos nutre e sustenta emocionalmente), durante esta fase; de um lado estava a vontade, desejo e um querer egocentrista e caprichoso do outro estava o aumento da consciência, dos deveres, da fé nos valores, um alargar de horizontes. O que provavelmente obrigaria a uma rédea bem mais apertada daquela que Marte cheio de desejos e vontades, gostaria. Uma necessidade de alinhar o querer certo, o desejo correcto, a vontade com sentido. A disciplina daqueles que apostados em viver só e apenas a verdade sem dissociações, bem conhece.

Sabendo que nada acontece na vida real, sem que tenha começado por um pensamento, consciente ou não, vale a pena anotar os pensamentos que vamos tendo, já que muitas vezes os descartamos, principalmente aqueles que nos obrigam ou lembram algo que exige algum trabalho. Se eles nos surgiram são importantes e, mais dia menos dia, iremos comprovar isso mesmo com factos reais, razão suficiente para nos ocuparmos apenas daqueles que nos dão alegria, conforto e paz, aqueles que nos impelem para que sejamos honestos connosco. Há quem mantenha diários de acontecimentos, eu mantenho diários para ideias. Lê-las de vez em quando ajuda a torná-las uma realidade.

4 comentários:

António Rosa disse...

Ana Cristina,

Até me arrepiei ao ler, pois tenho esse par a funcionar dessa maneira. Acompanhado de uma quadratura exacta de Saturno ao Sol. Tenho-me sentido como uma bola de ping-pong.

Gostei muito e serviu-me muito.

Abraço

maria de fátima disse...

Olá Ana Cristina gostei do texto principalmente da última frase.Beijinhos de amiga.

Ana Cristina disse...

António :-) e com o Saturno voltado para dentro, nós somos a nossa autoridade :-)...isto tem tudo o seu propósito.
Hoje mais tarde gostava de lhe dar um hello.

Ana Cristina disse...

Olá Mimi :-) obrigada. Beijo.