26 de ago de 2009

morte anunciada


No próximo dia 11 de Setembro, Plutão volta ao seu movimento directo, deixando de estar retrógrado. O simbolismo dos planetas nestes períodos é o de que trabalham de dentro para fora ou seja, as lições são interiorizadas e se por vezes ao encontrarmos resistência exterior nos enchemos de ganas e vamos à luta, as batalhas internas com fantasmas ou medos nossos não são de todos menos ameaçadoras, bem pelo contrário já que seremos obrigados a pôr em causa a nossa razão de ser.
Com Plutão há sempre um sentimento de medir de forças, poderes, a nossa perspectiva enfrenta a do mundo, palco onde nos podemos sentir fortes, donos e com direito a ...ou pelo contrário isolados e sós a lutar pela sobrevivência, falo de períodos de vida que só quem os passou pode ajuizar os outros que ainda não os experimentaram terão de confiar e aprender que esta passagem iniciática pretende fazer de nós seres humanos mais autênticos e fortes, por isso o teste de resistência.
Falar de Plutão retrógrado vem-me a imagem da batalha connosco porque quando lutamos com outros já se sabe que nos vamos alimentado da energia do que nos enfrenta é precisamente esse o jogo que perpetua as guerras, (ou os jogos sexuais) ora se aquilo que temos que enfrentar está dentro de nós é nossa criação, será fácil de entender que não poderemos sustentar o cerco por muito tempo, algo tem que ceder para dar lugar ao novo. Algo morre porque não resiste.

Muitas vezes encontrei em cartas pontuadas por um forte contacto de Neptuno em idades jovens, alturas de vida em que se experimentaram paraísos induzidos e que seguidos por uma outra fase Plutónica a marcar o período de transformação e renascimento indicando que ali se deu a oportunidade de renascimento. Foi precisamente disto que me lembrei ao ouvir recentemente uma beldade, contar como se tinha internado num centro de recuperação e que passado algum tempo, olhando para o espelho viu-se mais gorda, com as raízes enormes, vestida com um fato de treino horroroso e como apesar disso se sentia feliz e renascida, estamos a falar de uma mulher que tinha enriquecido graças aos seus atributos físicos. Estes eram o seu poder.
Plutão é isto renovação de valores e recursos, o que por vezes obriga a que se descubram aqueles que não se sabe que existem ou que se tome consciência de que aquilo em que perspectivámos o nosso poder...era efémero. Durante este período em que esteve retrógrado, alguns de nós (com planetas ou ângulos entre os 0º-3º dos signos Cardinais; Carneiro, Balança, Balança e Capricórnio), não fomos meros espectadores de um processo, em breve outros tantos se juntam à medida que o transito for entrando lentamente por Capricórnio. São processos que levam anos e que à medida que o tempo vai passando nos fazem pensar que foi uma outra pessoa que teve aquela vida e não nós de tal forma nos transformámos.
Por ser Plutão símbolo das raízes e do que está enterrado, a história é sempre mais ou menos brutal no sentido de radical e transformadora de uma forma ou de outra não nos deixa incólumes, algo se perde (e nada se perde) tudo se transforma. Se com os transitos de Úrano e Neptuno nos individualizamos e buscamos ideais, podemos olhar para trás e recordar uma destas fazes isoladamente como um período de vida e que depois tudo terá voltado ao normal fizeram-se mudanças (ou não) mantendo-se a essência. A mesma perspectiva não pode ser aplicada a Plutão, este marca a morte de um ciclo e a vida começa a partir daquele momento, como uma morte anunciada que dará lugar ao renascimento.

8 comentários:

marcelo dalla disse...

Bom dia querida! O caminho da ascensão é este: expandir a chama trina - divino amor, divina sabedoria e divino PODER, que é assunto de Plutão. É a jornada evolutiva da alma.
Vejamos o que acontece com o retorno deste planeta ao seu movimento direto...
bjos

Maria Paula Ribeiro disse...

Bom dia Ana,

A partir de Domingo, entrarei em introspecção durante 15 dias, e projectar em silêncio, com calma, (com a máxima sabedoria que for capaz), mas no papel, um trabalho que ambiciono há já uns anos e que se tem tornado cada vez mais "tridimensional".

Sentir-me ei renascida por uma causa escondida e desconhecida que tem de "morrer" e dar lugar à luz do dia! Assim o espero... assim anseio a força plutónica!

Fantástico post, amiga

Beijo grande

António Rosa, José disse...

Ana Cristina

Ansioso para que ele volte a estar directo e se afaste do meu Úrano na casa 2. Tem sido ir ao fundo... mas com elegância, claro!

Abraço

Ana Cristina disse...

Olá Marcelo, depois dos diálogos internos passar a perspectivar publicamente talvez... beijo.

Ana Cristina disse...

Mª Paula, que bom momento esse aproveita linda. beijo

Ana Cristina disse...

Amigo António como o compreendo :-)
Abraço

António Rosa, José disse...

Ana Cristina

Vim aqui buscar um excerto para um post que estou a preparar.

:)))

Ana Cristina disse...

:-) António, obrigada...