15 de ago de 2008

Contrato confuso



A confusão é total, hoje a propósito e à volta da discussão acerca do casamento homossexual...a Igreja e os seus dogmas, as razões da lei, os conteúdos divergentes da razão da instituição, a família discutida como de um contrato celebrado em notário se tratasse.
Afinal esta norma institucionalizada pelo homem parece que carece de alguns ajustes, já que nem todos os casais são procriadores, e também há muito que é ponto assente que não dura toda a vida. Para já não falar que as razões contratuais já sofreram alterações ao longo do tempo. Não foi o casamento nunca a condição para que alguém fosse pai ou mãe, ás vezes até foi a maternidade que motivou o dito. Não é necessariamente um casamento cria um lar.
Astrologicamente, a casa VII, normalmente tida como a do outro, é afinal aquela oposta à da identidade e que poderá conter aquela energia que por alguma razão o próprio viu suprimida e lhe fazendo falta, a vai procurar fora, no outro.
Encontrar o que lhe falta no parceiro, que pode ser a nível intimo ou nem tanto, poderá ser parceiro de negócio ou o parceiro ideal para fazer acontecer um sonho. Alguém que vem completar o individuo no que este mais sente falta. Então a parceria está directamente ligada com a necessidade individual.
Tudo ficaria mais fácil se celebrasse o acordo das partes com uma mesma norma para todo o tipo de parcerias, digo regidas pelas mesmas obrigações e direitos. Em astrologia a casa VII aponta o casamento enquanto contrato na sua celebração e a sua dissolução.
A Paixão essa é assunto da casa V, que em junção com a VIII, nos conduz à sexualidade.

10 comentários:

cova-do-urso disse...

Excelente definição. E reli o outro artigo.

Bom feriado,

António

Ana Cristina Corrêa Mendes disse...

Olá António, :-) obrigada.
O meu vai a ser a trabalhar, votos de bom feriado para si também.

Maria Paula disse...

Olá Ana!

Passei por aqui ler os seus artigos preciosos... :)

O meu dia é de trabalho também, repartido entre internados, e a rega do jardim e árvores de fruto...

Votos de um bom dia de trabalho! :)
Beijinhos

Ana Cristina Corrêa Mendes disse...

:-) boa rega Maria Paula e as melhorinhas para os internados.

votos de um bom dia também para si.

bjinho

neo disse...

Ana Cristina.
Olá,boa tarde. Ouvi falar tanto de si e li que não susti mais a curiosidade de conhecer os seus textos de fundo.
E leio que acredita na Astrologia ao serviço do homem. Tudo o que seja ao serviço do homem, ou tendo o homem como fim me atrai. E como é ao homem que compete colocar os meios ao seu serviço enquanto fim, quero acreditar em si.
Mas a Ana Cristina tem outra particularidade que me fascina, É de Escorpião.
Eu sou de Capricórnio e casado com uma de Escorpião. Estavam assim reunidos os ingredientes para que eu ousasse comentar os seus escritos, e ousei.
Estou de acordo que os casmentos são apenas uma questão de direito e que visam a protecção material dos envolvidos e a atribuição das suas responsabilidades em caso de dissolução.
O casamento não protege as pessoas quanto à sua espiritualidade. Quanto ao grau de afectividade. Quanto à permanência do amor eterno.
Logo, não faz ~qualquer sentido descriminar os cidadãos homossexuais.
É uma primeira visita, voltarei se mopermitir.
Neste seu espaço respira-se paz e harmonia, as suas palavras são dóceis e fraternas.
As minhas saudações amigas

Astrid Annabelle disse...

Ana Cristina,
com palavras simples e diretas me fez compreender um assunto até então nebuloso para mim.
Vou aprender muito consigo...
Obrigado!
Um beijo.
Ma Jivan Prabhuta

Ana Cristina Corrêa Mendes disse...

Olá Neo, já lhe conhecia o tom erudito com o seu quê de romanesco que transparece na sua escrita, pelo que desde já o congratulo. O Sol poderá ser de Capricórnio mas a Lua :-).

Agradeço os cumprimentos e sinto-me honrada com a sua presença. Fui visitar a sua casa entretanto e li alguns dos seus posts, gostei dos temas abortados.
Neo volte sempre e diga de sua justiça.
Abraço virtual

Ana Cristina Corrêa Mendes disse...

Astrid, que honra, as suas palavras acabaram de fazer acender a luzinha que acabará por resultar num próximo post.

Obrigada.
Votos de um excelente sábado.

neo disse...

Ana Cristina.
As minhas palavras não tém um tom erudito, é muita bondade sua. São simples e procuram respostas, mesmo quando parecem afirmar.
Obrigado por acolher com simpatia a minha presença.
Peço-lhe que me explique o enigma, se ele for explicável, isto é, se não dever permanecer enigma para sempre.
"o Sol poderá ser de Capricórnio, mas a Lua" suponho que sorriu ou fez uma expressão de dúvida...
Um abraço de amigo

Ana Cristina Corrêa Mendes disse...

Neo, :-) não sou bondosa (LOL).

Explico concertesa e se me permitir deixo-lhe aqui o link que o leva à resposta, estou certa vai estender, porque "sorri" quando me referi à importância da Lua. http://espelhodevida.blogspot.com/2007/11/tudo-importante.html

Abraço