24 de out de 2008

agora


A última frase deste post, na Cova do Urso foi a minha inspiração. Uso a minha experiência, tenho Neptuno colado a Mercúrio, idealismo claro está, por outro lado Saturno está fortemente implantado, em casa, sr. poderoso e governando a seu bel-prazer as vontades (oposto a Marte). Ao longo da vida como todos tive muitas desilusões de cada vez que as expectativas não se concretizavam e também tive grandes alegrias, aquelas provenientes de factos surpreendentes, aqueles que de repente nos fazem sentir vivos. As desilusões normalmente fruto de sonhos, só meus e que não os exprimia, ninguém os conhecia, nada fazia efectivamente para que se tornassem realidade. Por isso quando algo acontecia varrendo o dito sonho para ainda mais longe, sofria na mesma dose, enorme, como a que o tinha acalentado, para perceber depois que quem ou o que me roubava o sonho, não sabia que o fazia, não sabia porque eu não me tinha manifestado. As alegrias provenientes daquelas pequenas grandes coisas que de repente aconteciam, como se alguém lhe oferecesse flores, sem sequer se ter imaginado tanta alegria de repente e aparentemente sem se ter mexido um dedo para que aquilo acontecesse. Se olharem bem vão ver que fizeram, fizeram tudo certo, fizeram tudo genuinamente, fizeram o que tinham que fazer. Não é deixar de sonhar mas é fazer também e agora.

6 comentários:

Maria Paula Ribeiro disse...

Olá Ana,

Deixo o meu comentário na Cova do Urso e levo outra dose aqui...lol,

Isto é que eu chamo dose... vou ter de estudar isto tudo.

Super grata pela tua descrição...:)
Beijinhos

Ana Cristina Corrêa Mendes disse...

Dose dupla Maria Paula, vais mais confortadinha. Beijo

cova-do-urso disse...

Olá Ana Cristina,

Lá fui esta tarde à Ericeira para uma consulta com uma pessoa que vinha de Setúbal. Obviamente, com a consulta preparada, mapas analisados e predisposto a fazer a minha parte.

A cliente não apareceu, nem enviou nenhum recado.

Meia hora depois da hora da consulta, telefonei-lhe genuinamente preocupado, pois poderia ter acontecido alguma coisa.

Não tinha acontecido nada de especial, apenas se esquecera da consulta e também não se lembrava de um e-mail recebido na quarta-feira a recordar a consulta, ao qual ela respondera, confirmando.

Desculpa apresentada: andava a tomar comprimidos, por isso esquecia-se das coisas.

Há «agoras» muito difusos. =)

Gostei muito do seu artigo, pois é o retrato da própria vida.

Abraço e bom fim-de-semana,

António

Ana Cristina Corrêa Mendes disse...

António, lamento que os agora difusos, ocupem o tempo e as vidas alheias. O trabalho do astrólogo de preparação de consulta, numa 1ª chega a ter a percentagem de 80%, os meus colegas além mar fazem-se cobrar no acto da marcação...aqui aguardamos que as pessoas sejam retribuídas e ensinadas pelo universo. Lamento amigo, espero que de outra forma lhe tenha sabido bem a deslocação.
Abraço

Samsara disse...

Olá Ana Cristina
Bonito Texto, é importante lembrar que temos que fazer os nossos sonhos acontecer.
Beijinhos

Ana Cristina Corrêa Mendes disse...

Olá linda,... e que ás vezes a realidade até transcende o sonho :-)
Beijinho