4 de jul de 2008

Na Senda da regeneração II


Continuando em busca do que molda e transforma a perspectiva de cada um, a área de vida onde se dará lugar o renascimento da Fénix, logo onde se deverá acontecer primeiro uma morte simbólica.

Na casa XI, a perspectiva vai estar directamente ligada à admiração e apreciação que possa auferir dos outros, grupos sociais ou de amigos. É também aqui que poderá sentir os maiores revezes, ao se dar conta que não tem apreciação generalizada e esperada apesar dos esforços. Nesta renovação de "grupo" será importante reter que se se mantiver fiel à sua verdade, irá atrair a admiração não de todos mas daqueles que partilham o seu sonho. Já na casa V oposta, a perspectiva prende-se com a dádiva e esta carregada de emocionalismo, muitas vezes sendo esta a área de criatividade a perspectiva será vivida através da arte e da insegurança em mostrar a obra. Aqui aprender e integrar a dádiva incondicional fará toda a diferença.

Na casa XII, a perspectiva de não ser compreendido por ninguém, de ser deixado à margem da sociedade, o perfeito Calimero, até perceber que não é verdade, que o próprio se confina e ao se proteger de tudo e todos acaba por se entrincheirar. Ao contrário da perspectiva de Plutão na VI, que vai querer fazer prevalecer a sua "ideia" principalmente nas áreas de trabalho onde deverá cooperar com os outros. Aqui a perspectiva tende a ser imposta o que poderá originar sucessivos conflitos nas cooperações. O 1º terá que aprender a expressar a sua perspectiva para que os outros o entendam e o 2º poderá ter que aprender a respeitar e cooperar mesmo com as que são diferentes da sua.

Termino com o Ascendente, aqui é o ego que estará na berlinda, impor as suas necessidades de forma dramática e urgente, como se o mundo acabasse no minuto seguinte. Ou estão comigo ou estão contra mim tipo de atitude. Até perceber que uma diferente perspectiva é só isso e que não significa um ataque pessoal. Como quando falamos do Ascendente falamos do corpo físico, este poderá acompanhar e ser tela para mudanças mais radicais, tipo piercings e tatuagens. Na casa oposta a VII, as transformações que levam à mudança serão vividas nas parcerias e sociedades de carácter intimo e não só. Aqui poderá haver um medir de forças com o outro. O que o levará a enfrentar os recursos próprios e que sua grande vontade de se afirmar publicamente terá ignorado. Por isso os procurou em parcerias, que acreditava serem a força de que necessitava.


As pessoas que possuem alguma força de carácter carregam consigo, como os planetas, a sua atmosfera nas suas órbitas.
Thomas Hardy

4 comentários:

Samsara disse...

Calimera (não sei se é assim que se escreve, mas é bom dia em grego).
Adorei a referência ao Calimero.
Sempre aprendendo por aqui.
Bjs.

Ana Cristina Corrêa Mendes disse...

Aprendemos sempre uns com os outros e calimera :-) para ti tb.
O Calimero é um dos meus bonecos preferidos :-).
bjo

António Rosa disse...

Ana Cristina

Excelente série em 2 artigos.

Além de o sentir presente na minha IV, lembro-me bem (muito bem) da passagem dele pela VI (1977), VII e agora na VIII.

Curiosamente, as memórias que tenho da passagem dele pela V foram bastante dissolvidas por Neptuno. Quando digo dissolvidas, quero dizer que não estão presentes.

No entanto, foi nessa fase que vivi épocas marcantes na minha vida - morte do meu pai, serviço militar obrigatório (3 anos), 1º casamento/divórcio, morte súbita do meu filho bébe. São recordações que já não são dolorosas.

Abraço. Desculpe o desabafo. Foi bom.

Ana Cristina Corrêa Mendes disse...

Não tem nada que pedir desculpa António e o seu comentário reflecte bem a natural tensão da casa 5 com o eixo das casas 2/8, os que valorizamos e o que os valorizam, que é muito mais que $$$$.

Abraço XL
Ana Cristina