16 de jan de 2009

cair e levantar


Ultimamente fui levada a juntar os pontinhos e a formar o desenho completo. Em Setembro falei aqui dos contactos Saturno - Lua, de como a realidade nos obriga a olhar com seriedade para as nossas necessidade e portanto os medos. Isto pode acontecer trazendo à nossa realidade, o que está de fictício na vida de cada um, vindo na forma de alguma situação de que preferiríamos não ter que lidar com. Em consultas tenho tido a possibilidade de observar os reflexos em diversas histórias de vida.

Entretanto Saturno Retrógrado (movimento aparente para trás), logo até Junho vai passar por onde andou desde o inicio de Outubro, o que acontece a seguir às surpresas dos contactos sugeridos pelo encontro entre o tradicional Saturno e o inovador Úrano. Para alguns em forma de noticia imprevista, portanto surpresa. Este movimento, virado para dentro, até Junho poderá parecer a alguns um momento de confusão, depois do de repente se ter perdido o chão. Não sendo uma brincadeira caprichosa do universo, é o tempo necessário para nos estruturarmos internamente. Poderá ser que tudo e todo um passado tenha que ser revisto, como numa mudança de casa em que voltamos atrás para ver se não nos esquecemos de algo que nos possa vir a fazer falta. São alturas de vida de oportunidade de crescimento, em que se pode cair desamparado e ter que se levantar, o que por vezes acarreta muita dor e, algum desnorteamento, ficámos sem a sustentação a que nos habituámos durante anos, quase vidas inteiras. O padrão que instituímos e nos confinámos, a nossa zona de conforto.

Esta sugestão de que as coisas mudaram para sempre não entra facilmente e é humano tentar recuperar o que se partiu, com a mesma arte com que sempre se manteve a estrutura. Existe esta grande dificuldade de abrir para o novo e admitir que se calhar a vida esteja a mudar de uma forma definitiva. Principalmente porque o caminho que se perfila é desconhecido, ainda não foi incluído nos GPS. Nos mapas astrológicos, está lá mudança, libertação, individualização. Fortes indicadores de que muito provavelmente a mudança vai acabar por acontecer, nestas alturas, sejam elas por razões emocionais, laborais, financeiras, cada um terá que enfrentar os seus demónios, alturas em que a auto-estima é aferida, alturas que teremos que ser os nossos super heróis. Para depois termos o prazer de saber que fomos capazes de dar a volta.

5 comentários:

Maria Paula Ribeiro disse...

Ana,

Lindo, lindo

Fizeste-me sorrir! ;-)

Vou estar de "reclusão" este fim de semana, por isso, um excelente fim de semana!

Beijinhos

Ana Cristina disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ana Cristina disse...

Já vi Maria Paula e desejo-te um excelente congresso, é sempre bom estar entre pares :-) e obrigada pelo lindo e pelo sorriso, um excelente tratamento de beleza.

Samsara disse...

"...alturas que teremos que ser os nossos super heróis" Sem dúvida que ninguém pode nem deve fazer aquilo que nós mesmo temos que fazer. Cair, levantar, aprender, evoluir.
Muito bom
Beijinhos e bom fim de semana

Ana Cristina disse...

Pois é Sam, chorar, soprar e continuar :-)
Bom domingo para ti linda. Beijo