10 de fev de 2009

na ribalta


Repito-me eu sei e desculpem-me os mais assíduos e atentos, referindo que a pergunta que oiço mais é: -isso é bom ou mau? Já sabem que a minha resposta é; -depende dos seus planos... Adiante e ainda a propósito do transito de Plutão, se pensarmos que Plutão rege a casa 8, a da morte a seguir à 7ª das parcerias, a morte do ego depois de aprendermos o relacionamento com outro e nos termos tornado mais completos. Podemos entender que Plutão, não parte e destrói por capricho, arrasa porque não servia, porque estava mal feito, porque era egocêntrico e é hora de cada um se responsabilizar perante o colectivo, de enfrentar os poderes; o seu e o dos outros. Está a caminho da casa 9, onde deverá inspirar e ensinar outros que ainda não tenham aí chegado. Por isso tem que se purificar para essa intervenção. O bem ou mal estará sempre ligado à forma como nos conduzimos até ali e como enfrentamos a transformação que nos é necessária.

Para os observadores destas movimentações, caso já tenham verificado ou senão convido-os a, que um transito rápido do Sol ou numa outra progressão mais lenta deste astro, a iluminar determinada área de vida e planeta. Ora este planeta e a sua simbologia no horóscopo vai estar iluminada; o Sol aquece mas também queima, o Sol ilumina mas também ofusca; logo aquela parte simbólica mais sombria do planeta ou aquele canto mal iluminado que mantemos naquela arena, têm uma grande tendência para saltar para a ribalta. Por isso seja qual for a porção do horóscopo que esteja activada é bom pensar no e como é que é que cada um deseja passar a limpo a experiência, pois pode ser que não dê para continuar como até ali. O bom e o mau, são polaridades que cada um terá à sua disposição.

6 comentários:

Maria Paula Ribeiro disse...

Ana,

Esplêndido. :-)

Acho que quando "plutão está no meio da arena", e nos encontramos lá, só queremos fugir... mas como um bom toureiro, ele (toureiro) voltará para lá...porque sabe que tem de acabar o seu trabalho.

É bom ou mau? Nem sei... Só sei que temos, OBRIGATORIAMENTE, de fazer o nosso trabalho... entre a preguiça, por um lado e o trabalho desenfreado por outro (polaridades)temos que caminhar.

Este post está uma maravilha, sabes?
:-)

Ana Cristina disse...

ainda bem que gostaste :-) tudo faz mais sentido quando também experimentamos. Tem uma boa tarde Maria Paula. :-)

António Rosa disse...

Ana Cristina

É a excelência.

«Podemos entender que Plutão, não parte e destrói por capricho, arrasa porque não servia, porque estava mal feito, porque era egocêntrico...»

Estamos sempre a avisar, não é? Como seres humanos, somos tentados, primeiro, a não fazer bem feito, e só depois é que tentamos atinar com o bem fazer.

Muito bom.

Ana Cristina disse...

:-) António, Plutão lembra-me sempre um ajuste de contas, do individuo com os outros, medindo quem tem mais força, até perceberem que só se unirem são fortes :-)Obrigada.

Samsara disse...

Sem dúvida, o bem ou mal é relativo, cada uma encara amesma situação à sua maneira, a atitude com que enfrentamos as dificuldades é sempre o mais importante, transformar dificuldades em oportunidades, é o que se pretende.
Beijinhos

Ana Cristina disse...

Bem aparecida Sam, nem imaginas como esta simplicidade ainda não encontra eco em todos os corações e mentes, por isso vale a pena repetir.
Beijo